um dia dancei só dancei um dia

Um dia dancei só dancei um dia

Partir do amor – tema sobre o qual todos temos inúmeras referências – para escrever cartas. Ler cartas. Rever cartas. Descobrir cartas.

As actrizes em cena são o ponto de convergência da pesquisa desenvolvida ao longo do processo, de onde resultará um vídeo documental, onde diversas mulheres lêem cartas de amor. As suas cartas.

A falta que sentimos das pessoas, dos lugares, de nós próprios. E o amor, como forma de expressão do “eu” e como elemento preenchedor de um lugar que pertence simplesmente ao vazio, à falta. Ao escrever uma carta de amor, cada um revela a sua individualidade. O que se escreve, tal como aquilo que se ama, é sempre um lugar que se espera ver ocupado por nós próprios. Será o olhar – como as palavras – das mulheres filmadas, que dará mote à criação do espectáculo.

Partir da realidade, trazê-la para cena e confrontá-la com o teatro e os seus artifícios. Partir da universalidade do amor para a singularidade da experiência individual, com as suas especificidades, o seu “grão”, o risco inerente à sua imponderabilidade. Trazê-la para o teatro.

Ficha Técnica e Artística

criação e direcção artística Daniel Gorjão | interpretação / co-criação Katrin Kaasa e Teresa Tavares | apoio à dramaturgia João Duarte Costa | espaço cénico Daniel Gorjão e Luís Valente | figurinos Daniel Gorjão e Matilde Azevedo Neves | vídeo Filipe Moura Ramos | fotografia Carlos Ramos | selecção musical Anne Kaasa | sonoplastia Pedro Costa | desenho de luz Miguel Cruz | guarda-roupa Elisabete Leite e Graça Cunha | adereços / construção e montagem do cenário Teatro Nacional D.Maria II | voz-off Maria Jorge Marques | produção executiva João Figueiredo Dias

Duração | 70 minutos
M/12

Estreia | 7 a 18 de Julho de 2010 | Festival de Teatro de Almada